Início > Reviews > Resenha – Pathfinder Chronicles: Guide to Absalom (OGL)

Resenha – Pathfinder Chronicles: Guide to Absalom (OGL)

Todo cenário de fantasia tem sua grande cidade. Forgotten Realms tem Waterdeep, Greyhawk tem a City of Greyhawk, Eberron tem Sharn, Planescape tem Sigil e Golarion tem Absalom. Contudo, até então Absalom tinha sido apenas citada como sendo a maior e mais importante cidade do Mar Interno (Inner Sea), mas só tinha aparecido em alguns módulos menores. Korvosa que foi palco da Adventure Path Curse of the Crimson Throne (A Maldição do Trono Escarlate) e já tinha ganho um suplemento só para si (Guide to Korvosa) estava a frente na preferência popular. Com o advento do jogo organizado da Pathfinder Society, Absalom ganhou um palco para brilhar e assim surgiu este suplemento para detalhar a milenar cidade criada do nada por um deus.

Localizada na gigantesca ilha de Kortos, Absalom foi criada pelo deus Aroden após erguer o leito do oceano onde ele havia descoberto a Starstone (Pedra Estelar), um artefato através do qual um mortal poderia se tornar um deus. Aroden colocou a pedra num templo, que passou a se chamar Starstone Cathedral, e criou toda a cidade em volta e atraiu mercadores humanos para habita-la. Com o passar dos séculos inúmeros conquistadores tentaram obter a Starstone, mas o povo de Absalom sempre defendeu a cidade com unhas e dentes até se tornar ela mesma uma força a ser temida. Eventualmente, por causa de sua posição estratégica no meio do Mar Interno, ela se tornou um poderoso centro comercial com tratados de defesa por todas as grandes nações. Apenas três mortais conseguiram passar no teste da Starstone e se tornar deuses, Absalom testemunhou a ascensão de Norgorber (deus do veneno e assassinato), Iomedae (deusa da justiça e virtude) e Cayden Cailean (deus da bebida e da esgrima) e portanto é um local sagrado para as religiões dos três deuses. Quando o deus patrono da cidade, Aroden, morreu no começo da era das profecias perdidas (age of lost omens) Absalom passou por séculos difíceis mas recentemente está retornando a seu ápice através do governo eficaz de Lorde Gyr da casa Gixx, que tem de navegar no mar dos inúmeros conflitos de interesse e manipulações das grandes nações que adorariam anexar a cidade as suas posses (justamente esse conflito é o tema das aventuras da Pathfinder Society).

“Introduction” – O livro não perde tempo em tentar usar a mesma formula de sucesso usada no Guide to Korvosa, mas o tamanho massivo e natureza cosmopolita da cidade, não permitem o mesmo tipo de personalidade dado no livro anterior. Questões como moradia, estilo de vida da população, impostos, comércio, economia e nobreza são explicados sem se aprofundar muito. O livro se concentra em blocos grandes de texto e poucas ilustrações (mas quando as tem, são superiores as ilustrações do livro de Korvosa).

“Places” – A cidade é dividida em grandes bairros e cada um deles funciona como uma mini-cidade com governo e guarda próprios. Sendo assim, este é o maior capitulo do livro onde cada bairro é descrito junto com seus principais pontos de interesse. Por ainda ser um mistério (até para os autores), a Starstone Cathedral é pouco mencionada. Novamente o tamanho e organização da cidade atrapalha, pois vemos uma longa série de informações parecidas sobre a guarda de cada bairro e como eles se orgulham da defesa que eles prestam e como tal líder do conselho do bairro planeja alguma coisa ou como tal ameaça escondida por eventualmente prejudicar a cidade inteira. Existem no entanto idéias muito interessantes que acendem o interesse no livro como uma misteriosa oficina de construtos que aparentemente se rege sozinha, ou um enorme cemitério submarino de navios que tentaram invadir Absalom através dos milenios e agora se tornou uma defesa da cidade. Como guia de referencias é bastante funcional, mas para leitura cursiva é um pouco massante.

“People” – Fala menos sobre pessoas e mais sobre a organização politica (talvez pelo tamanho diminuto do capitulo). A cidade recebe uma administração bastante realista, porem essa plausibilidade vem ao custo de uma enorme complexidade. São vários níveis de conselhos de administração para diversos assuntos de uma forma que só seria possível se colocar em jogo numa história sobre os terrores da burocracia. Contudo, o livro faz um bom trabalho em explicar e uma leitura com atenção pode render bons resultados.

“History” – Dentro do cenário Absalom já existe há mais de 4.700 anos, sendo assim a história passa do lendário (sua criação divina) ao mundano (seus anos mais recentes deixando enormes períodos em branco. Os eventos, no entanto, são muito bem montados e criveis tendo profundas transformações históricas dignas de algo do mundo real até se chegar na atualidade. Existem muitas tramas interessantes e dando margem a inúmeras idéias de campanhas (existe espaço para umas três ou quatro adventures paths só na cidade em si). Realmente o texto chega a ser recomendável como exemplo de como se lidar com cidades milenares.

“Secrets” – Talvez a maior decepção do livro, não existem revelações chocantes que desmentem boa parte das informações dadas anteriormente como no livro de Korvosa. Existem idéias interessantes, mas dedutíveis. Talvez porque a maioria dos mistérios realmente misteriosos sejam desvendados na campanha oficial da Pathfinder Society ou em livros específicos sobre as organizações presentes na cidade em si (como a Pathfinder Society dentro do cenário). O livro dá a impressão de que um apêndice detalhando a codificação em regras de novos conceitos apresentados no livro ficou faltando, mas não fica fazendo falta e os autores alegam que qualquer conteúdo não utilizado já foi incorporado em livros posteriores.

Draconclusão: O livro é bom e informativo, porem como livro de uma cidade genérica para ser utilizada como palco de uma campanha, é inferior ao Guide to Korvosa. O livro é um livro de referencia do cenário e apenas isso, dando menos subsídios para se criar uma campanha do que na outra obra citada. Para fãs do cenário de Golarion e que acompanham as grande metatramas do cenário o livro é importante, mas mesmo assim poderia ser melhor escrito para gerar mais empolgação na leitura.

Pathfinder Chronicles: Guide to Absalom (OGL)

Notas: Sistema: 5.0 História:9.0 Arte: 8,0 Relevância: 7,5 Média Final: 7,2

Editora: Paizo Publishing

Autor: Owen K.C. Stephens

Arte: (capa) Wayne Reynolds, (interior) Concept Art House,Jeff Carlisle, Andrew Hou, Ben Wootten

Sistema: OGL 3.5E

Lançamento: Novembro/2008

Descrição: Livro 64 páginas capa mole

Ver o livro na página da Paizo 

Anúncios
Categorias:Reviews Tags:,
  1. abril 2, 2013 às 11:45 pm

    Poxa! Fantástico seu Review! Completo e instrutivo!
    Estou usando-os como fonte para pesquisar o mundo de Golarion!

    Parabéns pelo blog!

    • abril 3, 2013 às 7:36 am

      Obrigado. Estou pensando em gravar um podcast sobre a história de Golarion, como o Rolando 20 fez por Eberron e o Tio Nitro fez por Dark Sun e Forgotten Realms. Lá na comunidade do facebook do Pathfinder RPG Brasil a gente tem discutido muito sobre isso.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: